Terça-feira, 28.04.15

cabul.jpg

 

LIVRO DO ANO

Publishers Weekly

 

Nas cidades e aldeias afegãs, há raparigas que se movimentam livremente e sem medo de represálias. Num país onde a mulher não tem valor nem privilégios, há meninas que vão à escola e brincam na rua. Elas existem mas ninguém sabe quem são. Porquê? Porque estão disfarçadas de rapazes. São as suas próprias famílias a fazê-lo ao abrigo de uma tradição secreta ancestral chamada bacha posh.

No Afeganistão, a mulher nasce como ser inferior e morre com o mesmo estatuto. Para uma família, não ter filhos varões é uma tragédia. De forma a contornar este estigma, muitos vestem e apresentam ao mundo as suas filhas como se fossem rapazes. Mas este estado de graça só dura até à puberdade, altura em que são obrigadas a assumir a sua identidade feminina e a liberdade tem um fim abrupto. Para as meninas que tiveram um vislumbre de autonomia, o choque é dilacerante e os seus efeitos são frequentemente devastadores.

A jornalista premiada Jenny Nordberg deparou-se com este costume e ficou fascinada. Pouco a pouco, conseguiu reunir um grupo de mulheres corajosas. Entre elas, está Shukria, casada e que viveu vinte anos como rapaz; Zahra, pré-adolescente que não quer regressar à infernal condição feminina; Nader, que já é adulta e desempenha ainda o seu papel de homem; e Mehran, filha de uma arrojada deputada do Parlamento afegão.

As suas histórias são fascinantes e dão-nos uma perspetiva totalmente nova sobre o que significa ser mulher e os sacrifícios a que obriga ainda nos dias de hoje.

 

“Um livro fascinante que mostra a uma nova luz o que significa ser do sexo feminino no país considerado oficialmente como o pior do mundo para se ser mulher.”

Observer



publicado por Rita Mello às 08:38 | link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Jenny Nordberg, jornalista premiada, é conhecida pelos seus trabalhos de jornalismo de investigação. Correspondente e colunista do jornal sueco de difusão nacional Svenska Dagbladet, tem um longo currículo de reportagens de investigação para, entre outros, o New York Times, onde contribuiu para uma série que ganhou o Pulitzer Prize for National Reporting em 2005. Em 2010, foi-lhe atribuído o Robert. F. Kennedy Award for Excellence in Journalism por um documentário televisivo sobre as mulheres afegãs. É membro do International Consortium of Investigative Journalists. Vive atualmente em Nova Iorque.

Para mais informações sobre o tema, consulte o site:

www.bachaposh.com



publicado por Rita Mello às 08:00 | link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 11.03.15

 

vitimas.jpg

 

No bestseller A Vida Secreta das Princesas Árabes, a princesa Sultana abriu o coração e revelou ao mundo o seu brutal e humilhante quotidiano. As suas palavras emocionaram milhões de pessoas em todo o mundo.

Alguns anos passaram mas a repressão e a violência continuam a ditar o destino das mulheres da Arábia Saudita. Sob o véu da lei e da tradição são cometidas as maiores atrocidades, e os seus autores raramente castigados.

Ainda que pertença a uma das famílias mais ricas e poderosas do país, Sultana é mais uma vítima deste flagelo. Mas para além das dificuldades que enfrenta enquanto filha, irmã e esposa, o seu coração sofre também por todas as mulheres que a rodeiam. São relatos sofridos aqueles que Sultana, a sua filha mais velha e Jean Sasson nos contam. São dramas humanos, e Sultana, na sua eterna demanda por justiça, não quer deixá-los cair no esquecimento do mundo. Estas são as suas histórias.

 

Com coragem e fé inabaláveis, Sultana continua a batalhar pela dignidade feminina num país que teima em manter-se à margem dos mais básicos princípios dos Direitos Humanos.

Um relato que apela à nossa compaixão.

Um livro, mais do que nunca, urgente.



publicado por Rita Mello às 12:16 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 30.09.14

 

No dia em que o meu pai morreu, julguei sentir a pior dor do mundo... julguei que nunca mais voltaria a sentir uma dor assim. Mais tarde, aprenderia que a dor, como o verde das folhas da floresta, tem muitos matizes.

 

No orfanato onde foi abandonada, Michaela perdeu o direito a usar o seu nome. Passou a ser o Número 27, era apenas mais uma entre muitas crianças desprotegidas.

A sua vida nem sempre foi assim. Michaela nasceu na Serra Leoa. Era a filha única de um casal que tinha a coragem de contrariar a tradição. Fizeram-no ao casar por amor e, mais tarde, ao adorarem sem reservas a sua filha, algo inédito numa cultura que despreza as mulheres. Embora fossem alvo de chacota, os seus pais insistiam para que frequentasse a escola e sonhavam em dar-lhe uma vida melhor.

Mas a guerra não lhes deu tréguas. Arrasou aldeias, ceifou vidas, destruiu sonhos. O pai de Michaela foi assassinado por guerrilheiros e, pouco depois, a mãe sucumbiu à doença. Michaela ficou sozinha no mundo.

O carinho não tinha lugar no orfanato miserável para onde foi atirada. Mas, um dia, Michaela viu algo que lhe permitiu sonhar pela primeira vez em muito tempo: a fotografia de uma bailarina clássica. Pouco depois, uma família americana adotou-a e não se poupou a esforços para realizar o seu sonho. Michaela deixou a sua África natal rumo aos Estados Unidos e a uma vida repleta de amor e estabilidade. Hoje em dia, é uma das mais promissoras estrelas do exigente ballet nova-iorquino.

 

Uma história sobre o poder da bondade e da coragem. Uma lição de vida inesquecível.



publicado por Rita Mello às 09:47 | link do post | comentar | favorito

Michaela DePrince nasceu na Serra Leoa e vive atualmente nos Estados Unidos com os seus pais adotivos. Estudou no American Ballet Theatre e foi a mais jovem bailarina principal do Dance Theatre of Harlem.

Na sua qualidade de bailarina, figurou no documentário First Position, bem como nos programas de televisão Dancing with the Stars, Good Morning America e Nightline.

Para mais informações sobre a autora, consulte o site www.michaeladeprince.com



publicado por Rita Mello às 08:39 | link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 29.08.14

 

 

Uma história de guerra, violação, coragem e sobrevivência

 

Sou princesa numa terra onde os reis ainda governam.

Nasci livre, mas hoje estou presa por grilhões.

 

Nascida no Líbano, Yasmeena era jovem, bela e sofisticada. Tinha formação universitária, falava fluentemente inglês e trabalhava como assistente de bordo. Era também virgem e conservadora, como mandava a tradição familiar.

O seu mundo ruiu no dia em que o avião em que deveria sair do Kuwait ficou retido no aeroporto. Saddam Hussein acabara de invadir o país. A guerra começava.

No meio do caos, Yasmeena foi enclausurada numa prisão controlada por soldados iraquianos. A violação e a tortura faziam parte da rotina. A impunidade era total.

Após o brutal ataque de que foi alvo às mãos do chefe da prisão, Yasmeena fechou-se em si própria e na sua dor… até ao momento em que conheceu Lana, cujo destino estava à mercê de um sádico. Por temer pela vida da amiga, Yasmeena usou o seu frágil poder junto do chefe. Mas a sua coragem teve um preço. Para salvar Lana, Yasmeena foi forçada a fazer uma escolha...

Há muito que Jean Sasson queria revelar ao mundo a história de Yasmeena. Mas sabia que, por ser sexualmente explícita, seria difícil de publicar. Contudo, Yasmeena nunca abandonou os seus pensamentos. E, um dia, Jean Sasson simplesmente soube que era a altura certa para a partilhar e impedir que a verdade sobre o que passou entre as paredes daquela prisão caísse no esquecimento.

Chocante e comovente, este é um relato fundamental sobre um crime de guerra menosprezado: a violação. Um grito contra o silêncio a que as suas vítimas são condenadas para a vida.



publicado por Rita Mello às 11:21 | link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 09.07.14

 


Neste livro intenso e escrito de uma forma brilhante, baseado em três anos de reportagem, é dada vida a uma era desconcertante de mudança e desigualdade global.
Annawadi é um bairro de lata clandestino à sombra de hotéis de luxo perto do aeroporto de Bombaim.
Quando a Índia começa a prosperar, os seus habitantes enchem-se de esperança. Abdul, vê «uma fortuna» no lixo que as pessoas mais ricas deitam fora. Asha, uma mulher inteligente e marcada por uma infância de pobreza, identificou o caminho para a classe média: a corrupção política. Com alguma sorte, a sua filha tornar-se-á a primeira rapariga com um curso superior no bairro. E até os mais pobres acreditam que estão a aproximar-se das boas vidas e dos bons tempos.
Com inteligência, humor e um profundo conhecimento do que liga os seres humanos uns aos outros numa era de mudança, este livro lança o leitor para um dos mundos escondidos do século xxi e para a vida de pessoas impossíveis de esquecer.



publicado por Rita Mello às 16:19 | link do post | comentar | favorito

Katherine Boo passou os últimos 20 anos a fazer reportagens em comunidades pobres, observando como as sociedades distribuem oportunidades e como as pessoas escapam da pobreza. As suas reportagens foram premiadas com uma bolsa de «génio» da MacArthur Foundation, um prémio da National Magazine for Feature Writing e um Prémio Pulitzer por Serviços Públicos. Este é o seu primeiro livro, uma obra de referência de narrativa de não ficção que conta a história dramática e por vezes desoladora de famílias que lutam por uma vida melhor numa das grandes e desiguais cidades do século XXI. Em 2013, a revista Prospect incluiu Katherine Boo na sua lista dos 100 World Thinkers.



publicado por Rita Mello às 15:53 | link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 22.05.14



publicado por Rita Mello às 09:09 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 20.05.14

 

 

Em 1955, Grace Kelly tinha a América a seus pés. Já ganhara um Óscar, era a atriz preferida do grande mestre Hitchcock e uma estrela de Hollywood. Na Europa, o príncipe Rainier, soberano do Principado do Mónaco, era o solteirão mais cobiçado. Conheceram-se rodeados por uma comitiva e expostos aos flashes das câmaras fotográficas. Pouco sabiam um sobre o outro.

O que se seguiu foi um dos romances mais badalados do século XX e um casamento que emocionou o mundo. O nascimento dos filhos - os príncipes Alberto, Carolina e Stéphanie – teve um impacto mediático sem precedentes. O Mónaco transformou-se no destino de sonho de milhões de pessoas. Foram tempos mágicos, nos quais tudo parecia possível. Mas o conto de fadas teria um fim abrupto. No fatídico dia 13 de setembro de 1982, Grace saiu de casa ao volante de um Rover e sofreu um acidente fatal. Nas colinas de Monte Carlo, morreu uma estrela e nasceu uma lenda.

 

Numa iniciativa inédita, o príncipe Rainier e os filhos – o príncipe Alberto e as princesas Carolina e Stéphanie – colaboraram na escrita desta biografia. A história de amor entre Rainier e Grace; os anos rebeldes de Carolina e a morte trágica do seu marido, Stefano Casiraghi; o peso da responsabilidade do príncipe Alberto enquanto futuro monarca e a solidão de Stephanie após o acidente que vitimou a mãe, todos os momentos marcantes da Casa Grimaldi são pela primeira vez revelados pela família. Esta é a sua fascinante história.



publicado por Rita Mello às 14:08 | link do post | comentar | favorito

Jeffrey Robinson nasceu em Long Beach, Estados Unidos, em 1945. Trabalhou como jornalista freelance para diversos órgãos de comunicação social americanos e ingleses antes de se estabelecer como escritor de ficção e não-ficção. Atualmente, divide o tempo entre Nova Iorque e Londres mas viveu durante mais de uma década no Sul de França, onde conheceu a família Grimaldi e conseguiu o feito inédito de garantir a sua autorização para a escrita da biografia da princesa Grace. O príncipe Rainier garantiu a sua total colaboração e fez uma única exigência: “Conte a verdade”.



publicado por Rita Mello às 14:08 | link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 21.04.14

 

 

Mato-te a ti e à tua família!

 

Foi a frase que Elizabeth Smart ouviu ao acordar no seu quarto, com a lâmina de uma faca encostada ao pescoço, na madrugada do dia 5 de junho de 2002. A irmã dormia calmamente a seu lado.

Elizabeth tinha catorze anos. A sua vida mudou para sempre naquele momento. Sequestrada por um religioso fanático, foi levada para um acampamento nas montanhas do Utah, onde o seu raptor celebrou um falso casamento, violando-a em seguida. O calvário de Elizabeth durou nove agoniantes meses, durante os quais foi drogada, acorrentada e violada vezes sem conta por Brian David Mitchell, com a ajuda da mulher, Wanda Barzee.

 

O rapto de Elizabeth chocou toda uma nação. Num testemunho apaixonante e inspirador, ela descreve a sua rotina de isolamento e violência e o milagroso momento em que foi salva. Acima de tudo, fala-nos da inabalável fé que permitiu o seu regresso a casa, a recuperação, e a determinação em ajudar pessoas que sofrem situações semelhantes. É hoje um símbolo de resistência e esperança.

 

Brian David Mitchell encontra-se a cumprir uma pena de prisão perpétua.

Wanda Barzee foi condenada a quinze anos de prisão pelo rapto, e a mais quinze pela tentativa de rapto da prima de Elizabeth.



publicado por Rita Mello às 09:51 | link do post | comentar | favorito

Elizabeth Ann Smart-Gilmour nasceu a 3 de novembro de 1987. Em 2011, criou a Elizabeth Smart Foundation, cujo objetivo é ajudar a prevenir raptos e crimes sexuais contra menores. Trabalha também como comentadora no ABC News. Atualmente vive com o marido, Matthew Gilmour, com quem casou em 2012.



publicado por Rita Mello às 09:15 | link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 02.04.14

 



publicado por Rita Mello às 12:27 | link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 23.08.13



publicado por Rita Mello às 12:18 | link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 22.08.13



publicado por Rita Mello às 10:31 | link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 21.08.13



publicado por Rita Mello às 14:53 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 20.08.13

 

 

Uma História de Amor Incondicional

 

O que levou uma jovem americana de 18 anos a desapontar os pais, afastar-se do irmão, desistir da universidade, perder a maior parte dos amigos e terminar a relação com o amor da sua vida? Tudo para se mudar para um país africano, onde só conhecia uma pessoa e não falava a língua nativa. Para Katie, a resposta foi simples:

 

O desejo profundo de ajudar o próximo e contribuir para um mundo melhor.

 

Katie Davis era uma das raparigas mais populares do liceu e tinha uma vida familiar invejável. O seu namorado era um atleta de sucesso e adorava-a. Mas antes de cumprir o sonho de entrar numa das melhores universidades americanas, Katie decide fazer uma pausa e dedicar-se a uma missão humanitária de curta duração em África. A sua vida nunca mais seria a mesma.

A bondade e simplicidade das pessoas que conheceu no Uganda tocaram fundo no seu coração. Perante aquele povo abandonado à sua sorte e privado dos bens mais essenciais, Katie percebeu que a sua missão não seria breve. Aquela seria, sim, a missão da sua vida. A pouco e pouco, ela tem contribuído ativamente para fazer do Uganda um país melhor e está, atualmente, no processo de adotar treze crianças. A sua coragem e abnegação abalaram o mundo e granjearam-lhe o epíteto de Mulher do Ano 2012 pela revista Glamour.

 

Coração sem Limites leva o leitor numa jornada inesquecível pelos caminhos do coração humano. Porque é possível mudar o mundo, uma pessoa de cada vez.



publicado por Rita Mello às 11:48 | link do post | comentar | favorito

Katie Davis nasceu em Nashville, nos Estados Unidos, e vive atualmente no Uganda, onde fundou a Amazima, uma missão que apoia as inúmeras crianças carenciadas do país. Tem vinte e dois anos e este é o seu primeiro livro.

 

Para mais informações sobre a autora pode consultar o seu blogue www.kissesfromkatie.blogspot.com



publicado por Rita Mello às 11:46 | link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 31.07.13

 



publicado por Rita Mello às 12:16 | link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 17.07.13



publicado por Rita Mello às 15:27 | link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 12.07.13



publicado por Rita Mello às 12:16 | link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 08.07.13


publicado por Rita Mello às 16:39 | link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 05.07.13



publicado por Rita Mello às 12:11 | link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 04.07.13



publicado por Rita Mello às 12:13 | link do post | comentar | favorito

 

 

Agora numa adaptação ao cinema.


Ao escrever este livro posso finalmente dizer: Sou livre.

 

Um dos raptos mais longos da história.

Um relato arrepiante e corajoso.

Uma história de triunfo do espírito humano.

 

Sê mais forte.

Não desistas.

Nunca, nunca desistas.


Estas são as palavras que Natascha escreveu, sozinha na cave em que esteve aprisionada durante mais de oito anos. São a prova do seu espírito inquebrável, da coragem que a manteve viva mesmo quando o seu corpo ameaçava sucumbir.

 

Natascha Kampusch tinha dez anos quando desapareceu no dia 2 de março de 1998. O dia em que celebrava uma pequena conquista: convencera a mãe a deixá-la ir sozinha para a escola. Queria ser mais independente, conquistar a liberdade possível a uma criança. Aguardava-a a mais sinistra das ironias…

Ao volante de uma carrinha branca, Wolfgang Priklopil escolheu-a como vítima. Algumas horas e quilómetros depois, estava deitada no chão frio de uma cave, enrolada num cobertor. Quando emergiu do cativeiro em 2006, tendo sofrido um dos mais longos raptos da história recente, a sua infância tinha terminado há muito.

 

Em 3096 Dias, Natascha conta a sua incrível história pela primeira vez: o que realmente aconteceu naquela manhã fatídica, a sua longa prisão numa masmorra de cinco metros quadrados e os abusos físicos e mentais sofridos às mãos do seu raptor, Wolfgang Priklopil, que se suicidou no dia em que Natascha conseguiu finalmente fugir.



publicado por Rita Mello às 12:10 | link do post | comentar | favorito

 

Natascha Kampusch nasceu no dia 17 de fevereiro de 1988, em Viena, na Áustria. Desapareceu aos dez anos e tornou-se vítima de um dos mais longos raptos da história. Em 2006, conquistou a sua liberdade. No dia em que conseguiu fugir, o seu raptor suicidou-se. Desde então, Natascha tem tentado recuperar a normalidade que o seu cativeiro lhe roubou.



publicado por Rita Mello às 12:05 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 02.07.13

 

 

A incrível vida da menina criada por macacos.

 

Marina foi raptada de sua casa e abandonada na floresta colombiana.

Ficou à mercê da vida selvagem.

Tinha apenas quatro anos.

Esta é a sua incrível história.

 

Entregue a si própria, Marina vagueou durante dias a chorar pela mãe. Como conseguiu uma criança de tenra idade sobreviver em condições tão hostis? A resposta desafia todas as nossas convicções: Marina foi “adotada” por uma família de macacos. Nos anos que se seguiram, eles seriam os seus guardiões. Com eles aprendeu a buscar alimentos, a proteger-se dos predadores e a viver em comunidade.

Quando foi encontrada, cinco anos depois, o seu estado era completamente selvagem. Arrancada à floresta por caçadores, foi vendida a um bordel onde sofreria maus-tratos diários até ter a coragem de fugir. Encontrou refúgio nos meandros da selva urbana e no seio de um gangue de meninos da rua.

Mas a infância de Marina não tinha ainda terminado. De alguma forma, acabara de começar.

 

Um livro de memórias único e uma lição de vida inesquecível.

A forma carinhosa como Marina foi acolhida pela família de macacos quando os seus semelhantes a trataram com tão imperdoável crueldade mostra-nos o quanto temos a aprender com os animais e é a derradeira prova da força do espírito humano.



publicado por Rita Mello às 12:11 | link do post | comentar | favorito

 

 

“Uma lição sobre a importância da integração e a resistência do espírito humano. O livro perfeito para todos os que apreciam histórias reais de vitória face à adversidade.”

Publishers Weekly

 

“Marina Chapman tem atualmente uma vida pacata mas a sua infância lembra um alucinante conto de fadas.”

The Huffington Post

 

“Uma extraordinária e inspiradora história real que Mrs. Chapman evitou partilhar durante muito tempo. Felizmente, decidiu tornar públicas as suas memórias.”

The Daily Telegraph

 

“Durante cinco anos, ela viveu ao estilo de Tarzan: integrada numa família de macacos capuchinhos, aprendeu a caçar animais com as próprias mãos.”

The Daily Mail



publicado por Rita Mello às 12:11 | link do post | comentar | favorito

Marina Chapman percorreu um longo caminho desde que foi abandonada na floresta colombiana, onde sobreviveu graças à proteção de uma família de macacos capuchinhos. Foi obrigada a trabalhar num bordel, liderou um gangue de rua composto por crianças órfãs e sem-abrigo, sofreu de depressão e fez uma tentativa de suicídio. Atualmente, vive no Reino Unido, é casada e tem duas filhas. Trabalha num infantário e chefia uma instituição nacional britânica.


Vanessa James, a filha mais nova de Marina, começou a escrever a história da mãe em 2006 com o objetivo de documentar a sua extraordinária vida. Mora em Londres, onde trabalha em conteúdos para televisão e cinema e integra a banda Starling.


Lynne Barrett-Lee dedica-se à escrita desde a década de 1990. É autora de sete romances e coautora de doze livros de memórias. Para mais informações pode consultar o site www.lynnebarrett-lee.com



publicado por Rita Mello às 12:11 | link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 28.06.13

 



publicado por Rita Mello às 12:44 | link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 16.05.13

 



Porque o amor pode derrubar todas as barreiras.


"Porque não ficam comigo esta noite, na minha caverna?", perguntou Mohammad.


A neozelandesa Marguerite não podia então imaginar como estas palavras iam mudar a sua vida. Ela viajava pelo Médio Oriente com uma amiga quando conheceu o carismático Mohammad, na Jordânia. A paixão que sentiram um pelo outro foi imediata. Por amor, Marguerite trocou a abundância do seu país pela aridez do deserto. Corajosamente e de uma forma simples e tocante, ela relata o seu dia a dia a partir do momento em que casou com o jovem beduíno e deu à luz os seus três filhos. Assistimos à sua adaptação a um modo de vida totalmente novo, que vai desde habitar numa caverna, sem eletricidade ou água canalizada, a ter de ir de burro buscar água, lavar a roupa no rio, fazer pão e aprender a língua e os costumes de um povo primitivo. Assistimos ao choque cultural, linguístico e religioso, mas também à sua adaptação, por amor e grande entrega, a um povo que – embora primitivo e supersticioso – a recebeu e integrou como sendo uma deles.



publicado por Rita Mello às 10:35 | link do post | comentar | favorito

Marguerite van Geldermalsen é natural da Nova Zelândia. Em 1978, casou com Mohammad Abdallah e, juntos, tiveram três filhos. Enviuvou em 2002 e divide agora o seu tempo entre Sydney e Petra, na Jordânia.



publicado por Rita Mello às 10:35 | link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 11.04.13

 


”Nasci num harém em Fez, Marrocos…” assim começa a história de uma infância passada por detrás dos muros proibidos de um harém.

Com uma voz carregada de emoção e um exotismo comparável ao das “Mil e Uma Noites”, Fatima narra as suas memórias e os sonhos e fantasias das mulheres que a viram crescer. Mulheres a quem o mundo exterior era interdito e que usavam o puro poder da imaginação para o recriar. Por entre o inebriante aroma a incenso e a suavidade dos véus multicores, ela viveu uma infância exuberante e mágica, mas também isolada e com pouco ou nenhum contacto com a realidade.
A sua timidez e docilidade eram uma fonte de preocupação para a sua mãe, uma mulher rebelde e inspiradora, que a instigava a sonhar mais alto e a ousar transpor os muros proibidos para ver o mundo com os seus próprios olhos.
E Fatima ganhou asas e voou. Esta é a sua inesquecível jornada de descoberta e crescimento face aos mistérios do mundo e da feminilidade. Uma história pessoal que contém em si a universalidade do que significa ser mulher.
Ao cruzar memória e fantasia, Fatima Mernissi lança uma luz sem precedentes sobre as vidas das mulheres muçulmanas.



publicado por Rita Mello às 16:12 | link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Fatima Mernissi nasceu em Fez, Marrocos, em 1940. Estudou Ciência Política na Sorbonne e na Brandeis University, onde fez o doutoramento. Tornou-se conhecida internacionalmente devido ao seu papel na defesa dos direitos das mulheres islâmicas. Trabalhou para a UNESCO e foi galardoada com o Prémio Príncipe das Astúrias em 2003. Actualmente, é investigadora na Universidade Mohammed V, em Rabat.



publicado por Rita Mello às 16:12 | link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 27.03.13

 



publicado por Rita Mello às 15:47 | link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 13.03.13



publicado por Rita Mello às 14:49 | link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 11.02.13

 


E se Christian Grey existisse mesmo?

 

UMA HISTÓRIA REAL

 

Em primeiro lugar, quero que saibam que não sou uma depravada. Bem, pelo menos não mais do que qualquer outra pessoa. Quem viesse a minha casa ficaria mais espantado com as pilhas de louça por lavar do que com a minha masmorra. O custo de vida na cidade é demasiado elevado e, dado o meu orçamento, uma masmorra não é mesmo uma opção.

 

Sophie Morgan é uma jovem jornalista de sucesso.

Divertida, inteligente, atraente e generosa, ela podia ser uma das suas amigas. A sua vida é absolutamente banal… com excepção de um “pormenor”: na cama, ela gosta de se entregar a um homem dominador. Sophie é uma submissa. E é também suficientemente ousada para revelar a sua arrojada vida íntima: das primeiras experiências eróticas à recém-descoberta sexualidade, na qual James, um “Christian Grey” da vida real, teve um papel fundamental. É só quando o conhece que ultrapassa verdadeiramente os seus limites. À medida que a paixão entre ambos se intensifica, a questão que coloca a si própria é: até onde será capaz de ir?

Poderá o homem perfeito ser também perfeitamente cruel?

 

Na senda de 50 Sombras de Grey, este ousado relato pessoal desvenda os segredos e desconstrói os mitos do que realmente significa ser submissa.

Arrojado, controverso e sensual, este Diário está recheado de uma honestidade tão surpreendente que ninguém – homem ou mulher – será capaz de o pousar. E quando terminar, o leitor vai perceber por que razão “Sophie” é um pseudónimo.



publicado por Rita Mello às 14:59 | link do post | comentar | favorito

Sophie Morgan é o pseudónimo de uma jornalista britânica. Diário Secreto de uma Mulher é a sua primeira obra publicada na ASA.



publicado por Rita Mello às 14:58 | link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 01.02.13

 



publicado por Rita Mello às 12:10 | link do post | comentar | favorito
















































































































































































arquivos

Abril 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

tags

3096 dias

a menina que se chamava número 27

a menina sem nome

a minha vida com bin laden

a mulher do sari cor-de-rosa

a vida secreta das princesas árabes

agnès rotger

alan e irene brogan

alex tresniowski

alice jamieson

almas gémeas

as meninas proibidas de cabul

às minhas filhas com amor

beth clark

biografia

casada à força

casei com um beduíno

cinema

clara – a menina que sobreviveu ao holoc

clara kramer

cnn

comprada – a minha vida num harém

condenada

coração sem limites

crítica

desonrada

diário de notícias

diário secreto de uma mulher

divorciada aos 10 anos

documentário

donya a-nahi

elizabeth smart

em carne viva

entrevista

escolhi viver

escravas

excerto

fatima mernissi

fawzia koofi

filha do pecado

flor do deserto

grace de mónaco

heróina do deserto

inquérito

jana wain

jaycee dugard

jean sasson

jeffrey robinson

jenny nordberg

jill abramson

jillian lauren

jornal de notícias

kate mccanm

katherine boo

katie davis

khady

kristen kemp

laura schroff

leila aziz

lynne barrett-lee

madeleine

marco tosatti

marguerite van geldermalsen

marina chapman

memórias de anne frank

memórias de um exorcista

michaela deprince

miriam ali

mutilada

nadia ghulam

najwa bin laden

não digas nada à mamã

nasci num harém

natascha kampusch

nojoud ali

o diário da minha melhor amiga

o fio do destino

o inferno de alice

omar bin laden

padre gabriele amorth

passatempo

prémios

quando o papá voltar

queimada viva

sameem ali

sampat pal

sinopse

sophie morgan

souad

stacey lannert

theo coster

toni maguire

trailer

tvi

vanessa james

vida roubada

vídeo

waris dirie

wendy wallace

zana muhsen

todas as tags

Sites de Autores
Fawzia Koofi
Jean Sasson
Jill Abramson
Jillian Lauren
Kristen Kemp
Laura Schroff
Sameem Ali
Sampat Pal
Sofia Hayat
Stacey Lannert
Tony Maguire
Waris Dirie
Amigas e Amigos
A Casa Torta
A Galáxia dos Livros
A Gémea que Faltava
Alojaeasverdades
A Magia dos Livros
A Menina dos Policiais
Ametista Cintilante
A Minha Vida em Mil Páginas
Amostras e Passatempos
Anjo, Estrelinhas e Manas
Ao Ler o Livro
A Opinião do Prazer
A Participar
A Partir dos 30
Artes e Devaneios
As Ameias do Crepúsculo
As Histórias de Elphaba
As Leituras da Fernanda
As Leituras da Maggie
As Leituras do Corvo
As Minhas Leituras
Avenida Surrealista
A Viajante
Bad Books Don’t Exist
BiblioMigalhas
Biblioteca CEF LIVROS com VIDA
Biblioteca do CEDV
BlogBrottas
Blogtailors
Bookeater/Booklover
BookManíacas
Books and Books
Books Around the Corner
By Juaniska
Café de Letras
Cantinho das Partilhas
Cartuchos Literários do Guerreiro
Castelo de Letras
Chá da Meia-Noite
Chá de Menta
Chá para Dois
Chovem Livros
Cinco Quartos de Laranja
Clorofórmio do Espírito
Clube dos Livros
Clumsy Girl
Coisas da Cleo
Compartilhando Leituras
Conta-me Histórias
Cuidado com o Dálmata
Daqui Prá Frente Só Há Dragões
Declaro-me Sonhadora
Destante
De Volta dos Tachos
Directório Livros e Marcadores
Doce Refúgio
Doida por Livros
Dominus
Dos Meus Livros
Esmiuça o Livro
Esmiuçar os Livros
Estante de Livros
Este meu Cantinho
Expressividade
FazendoArte
Finding Neverland
Floresta das Leituras
Floresta de Livros
Folhas de Papel
Ganha Prémios na Net
Ganhar.me
Girl in the Clouds
Godalsky
Gosto de Ti Livro
Grilinha
Há Luz no Fundo do Túnel
Horas Serenas
Ines’s Secrets
Inocência de Amar
Já Ganhavas qualquer Coisa!
Jonasnuts
Kikisses
Lector in Fabula
Learning To Breathe on my Own
Leitura da Semana
Leituras (and so on)
Leituras… By Bauny
Leituras das Marias
Leituras de A a B
Ler
Ler e Reflectir
Ler é Viver
Ler por Gosto não Cansa
Ler, um Prazer Adquirido
Letras&Baquetas
Letras sem Fundo
Leves e Ausentes
Leya BIS
Livreo
Livros de Bia
Livros e Leituras
Livros e Marcadores
Livros, o Meu Vício
Livros no Tempo
Livros para Devorar
Livros que Inspiram
Lost in Chick-Lit
Lucie’s… Corner on the Moon
Magical Pieces…
Mais Alguém no Mundo
Mais Passatempos
Manta de Histórias
Marcador de Livros
Maria Pudim
Max Costinha
Mesmo Grátis
Mil Estrelas no Colo
Minha Essência
Mira 46
Momentâneos
Morrigan
Moura Aveirense
Muito para Ler
Mundo da Inca
Mundo de Prata
My Imaginarium
My Life
Na Companhia dos Livros
Na Esquina do Tempo
Na Palma da Mão
Nataxxa and Geninha’s Blog
Novas Perspectivas Insulares
O Baú da Erminda
O Meu Momento Zen
O Meu Mundo
O Meu Mundo Miga
O Mundo Encantado dos Livros
O Prazer da Leitura
O Prazer de Ler
Os Devaneios da Jojó
Os Livros da Maria
Os Livros Não Têm Segredos
Os Meus Livros
O Sótão da Mimi
O Tempo entre os Meus Livros
Ouvi Dizer
O Vento Debaixo das Minhas Asas
Palavras Impressas
Palavras Partilhadas
Palavras Soltas
Passatempos Online
Pedacinho Literário
Pereira’s Book’s
Photos e Afins
Pintar com Quantas Cores o Vento Tem
Pipocas Gourmet
Planeta Márcia
Poemas, Rimas & Prosas
Pontos e Pensamentos
Porta-Livros
Porto das Pipas
Portugal Creative
Postais de Anis
Prazer dos Passatempos
Princesa Nilo
Princezices
PTPassatempos
Quadrícula
Queria de Ti
Read to Grow Europe
Refém das Letras
Refúgio do Leitor
Refúgio dos Livros
Romance n’Alma
Romances in Pink
Sapo Livros
Segredo dos Livros
Segredos Escondidos
Silêncios que Falam
SimpleSamples
Sociedade Aberta
Sofia e os Livros
Sol a Cada Dia
Sonhos de uma Rapariga
Sombra dos Livros
Tantos Livros Tão Pouco Tempo
Tempo de Mim
Tertúlias à Lareira
The Fanatic Reader
Tocas e Baldocas
Toque Suave
Totó da Cabeça
Tralhas Grátis
Tuga Passatempos
Uma Biblioteca Aberta
Um Livro e um Café
Um Ponto Azul
Vaidades
Viajar pela Literatura
Vidas Desfolhadas

blogs SAPO
subscrever feeds