Quarta-feira, 29 de Setembro de 2010

 

Onde se escondeu Clara durante a Segunda Guerra Mundial?

Resposta: num bunker.

 

01 – Bruna Cunha

25 – Rute Duarte

50 – Maria Isabel Ferreira Pinto Magalhães

75 – António Manuel Ferreira Novais

100 – Saudade de Oliveira Gordalina


Parabéns aos vencedores e obrigada a todos os participantes!



publicado por Rita Mello às 14:06 | link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 23 de Setembro de 2010

 

 

 

Onde se escondeu Clara durante a Segunda Guerra Mundial?


Envie a sua resposta para joanneharris@sapo.pt – e se estiver correcta e for a 1.ª, a 25.ª, a 50.ª  75.ª ou a 100.ª a chegar, ganha automaticamente um dos cinco exemplares de Clara – A Menina que Sobreviveu ao Holocausto, de Clara Kramer, que a ASA tem para oferecer. A data limite é terça-feira, dia 28 de Setembro.



publicado por Rita Mello às 12:20 | link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Sexta-feira, 10 de Setembro de 2010

 

 

Recebi uma carta da minha amiga Sonia. Terminava dizendo: “Quando esta guerra acabar, apenas as valas comuns testemunharão que em tempos houve aqui um povo.”

Tínhamos os corações partidos. Era o fim. O fim do mundo.

Na nossa tradição, uma morte rasga o tecido do mundo. Estamos todos ligados. Por casamento. Por amizade. Por trabalho.

Um dia, do nada, a mamã olhou para mim e disse: “Clara, vais escrever um diário.”

Seria um registo. Um objectivo. Era uma forma de contra-atacar.

 

Uma história tão tocante quanto O Diário de Anne Frank e A Lista de Schindler. É assim que a imprensa internacional define este livro, baseado no diário que a judia Clara Kramer escreveu em plena Segunda Guerra Mundial, quando tinha apenas 15 anos.

A 21 de Julho de 1942, os Nazis conquistam a cidade polaca de Zolkiew, originando a deportação e o massacre de milhares de judeus. A família de Clara consegue esconder-se num bunker que, apressadamente, escavara à mão. A viver por cima deles e a protegê-los está a família Beck. Embora se autoproclame anti-semita, o Sr. Beck arrisca diariamente a vida pelos dezoito judeus que acolheu. Apesar das condições de vida inumanas, dos relatos diários da morte de familiares e amigos e do terror constante, os laços de amor e solidariedade que se estabelecem entre eles dão conta da grandeza que faz pulsar o coração humano.

 

Contra todas as probabilidades, Clara sobreviveu para contar a sua história. O seu diário está exposto no Museu Memorial do Holocausto, em Washington. O bunker ainda existe.

Dos cinco mil judeus que habitavam Zolkiew antes da guerra, sobreviveram menos de sessenta.



publicado por Rita Mello às 14:37 | link do post | comentar | favorito

 

“Uma homenagem à coragem do ser humano.”

Publishers Weekly

 

“Um relato de sobrevivência excepcional… Poucas memórias de guerra conseguem transpor com tamanha força a perversão do genocídio nazi.”

The Daily Telegraph

 

“Fascinante. Simultaneamente um thriller envolvente e um drama dilacerante sobre a bondade humana… está destinado a tornar-se num clássico sobre o Holocausto.”

Booklist

 

“Um livro indispensável. Uma apaixonante história de horror e coragem.”

The Boston Globe

 

“Completamente envolvente. A tensão chega a ser tão elevada quanto nos thrillers de cortar a respiração.”

The Sun-Herald

 

“Empolgante.”

Literary Review



publicado por Rita Mello às 14:30 | link do post | comentar | favorito



publicado por Rita Mello às 14:25 | link do post | comentar | favorito

Clara Kramer e a sua família pertenciam a uma comunidade de aproximadamente cinco mil judeus em Zolkiew, na Polónia, antes da Segunda Guerra Mundial. No final da guerra, ela e os pais encontravam-se entre os menos de sessenta sobreviventes judeus. É co-fundadora do Centro de Recursos do Holocausto, da Universidade Kean, que sensibiliza anualmente cerca de 1200 professores para a importância da preservação da memória do Holocausto. A sua história está também a ser adaptada para o cinema. Vive actualmente em New Jersey, nos Estados Unidos.



publicado por Rita Mello às 14:15 | link do post | comentar | favorito

 

Algumas pessoas estão destinadas a ficar juntas.

 

Uma arrebatadora história de amor.

A prova de que a realidade pode ultrapassar a ficção.

 

Alan e Irene conheceram-se num orfanato, nos anos 50. Ele tinha sete anos, ela tinha nove. Eram ambos sensíveis e solitários. Naquele meio hostil, tornaram-se inseparáveis. Mas a proximidade entre meninos e meninas não era bem vista e, embora se desdobrassem em cuidados e peripécias, o inevitável aconteceu: a inocente amizade foi descoberta. Alan foi levado para outro orfanato sem ter, sequer, direito a um adeus. A Irene disseram que ele fora adoptado e, embora destroçada, a menina encontrou consolo na ideia de o amigo ter então um lar carinhoso e feliz. Mas a realidade era bem diferente. Abandonado e só, Alan queria apenas dizer a Irene que nunca a esqueceria. Por ela, fugiu vezes sem conta. Foi sempre apanhado e, de cada vez, os castigos foram mais brutais.

Os anos passaram mas o laço entre eles nunca foi quebrado. Nas suas vidas – frequentemente difíceis, sempre solitárias – sabiam faltar algo. Sem saberem, frequentaram durante anos as mesmas lojas, o mesmo bairro…

Até que, um dia, quarenta anos depois, Irene e Alan cruzaram-se casualmente na rua. Ambos souberam de imediato que nada nem ninguém voltaria a separá-los. Relato doloroso de abandono, crueldade e sobrevivência, Almas Gémeas é, acima de tudo, uma história espantosa que confirma uma verdade fundamental: o amor consegue vencer todos os obstáculos.



publicado por Rita Mello às 05:20 | link do post | comentar | favorito

 

 

 

“É difícil imaginar uma história mais extraordinária que esta.”

Daily Mail

 

“Não há dúvidas de que isto é amor. É bonito de se ver.”

Woman’s Weekly

 

“O amor encontra o seu caminho… Uma história maravilhosa.”

Sunderland Echo

 

“A história de Alan e Irene confirma a vitória do poder das relações humanas sobre um mundo insensível.”

Oldham Evening Chronicle

 

“Um extraordinário romance da vida real.”

Glasgow Evening News

 

“Uma história de esperança e destino que reafirma a crença no romance.”

Soul and Spirit



publicado por Rita Mello às 05:10 | link do post | comentar | favorito

Alan e Irene Brogan casaram em 2007. Alan trabalha em gestão e Irene é uma feliz e orgulhosa mãe, avó e dona de casa. Residem actualmente em Sunderland, em Inglaterra.



publicado por Rita Mello às 05:00 | link do post | comentar | favorito

 

Waris Dirie (nome que significa Flor do Deserto) tem uma vida dupla – durante o dia, é top model internacional e porta-voz das Nações Unidas para os direitos das mulheres em África; à noite, os seus sonhos levam-na de volta a casa, na Somália.

Waris nasceu numa família tradicional de nómadas do deserto africano. A sua infância foi feliz e despreocupada… até ao dia em que chegou a sua vez de se submeter ao costume imposto à maioria das raparigas somalis: a mutilação genital. Waris sofreu esta tortura quando tinha apenas cinco anos de idade. Quando, já com doze anos, descobre que o seu pai pretende negociá-la com um desconhecido em troca de cinco camelos, Waris toma a decisão que vai mudar irreversivelmente a sua vida. Após uma extraordinária fuga pelo deserto, consegue chegar a Londres. Waris tinha poucos conhecimentos da língua inglesa e nenhum dinheiro. Acabará por trabalhar no MacDonald’s, onde um fotógrafo de moda a descobre. As portas da fama abriram-se então para esta jovem mulher cuja história é uma fonte de inspiração e cuja personalidade é tão arrebatadora como a sua beleza.



publicado por Rita Mello às 03:40 | link do post | comentar | favorito

 



publicado por Rita Mello às 03:30 | link do post | comentar | favorito

Waris Dirie é uma top model internacional. Em 1997, foi nomeada pelas Nações Unidas embaixadora para os direitos das mulheres na luta pela eliminação da prática da mutilação genital feminina. O seu esforço valeu-lhe também prémios e distinções como o título de Mulher do Ano atribuído pela Glamour em 2000, o World Social Award 2004, o Prémio Oscar Romero 2004 e o título de Cavaleira da Legião de Honra de França. Na ASA estão já publicados os seus livros Flor do Deserto, galardoado com o Prémio Internacional Corine de Não-Ficção 2002, Aurora no Deserto, distinguido com o Prémio Alemanha-África 1999, e Filhas do Deserto A sua história foi também transposta para o grande ecrã no filme Flor do Deserto.



publicado por Rita Mello às 03:10 | link do post | comentar | favorito

 

 

A top model somali Waris Dirie foi nomeada embaixadora para a paz e a segurança em África pela União Africana, na Cimeira da Paz e Segurança, realizada na semana passada em Addis-Abeba, na Etiópia, juntamente com vinte e cinco outras personalidades africanas, entre elas, a moçambicana Graça Machel, mulher de Nelson Mandela.

2010 é o Ano da Paz e da Segurança em África, sendo que o Dia da Paz em África tem lugar a 21 de Setembro de 2010.

Autora de Filhas do Deserto, Aurora no Deserto e Flor do Deserto (cuja versão cinematográfica se encontra neste momento em exibição nas salas portuguesas), Waris Dirie foi vítima de mutilação genital feminina quando tinha apenas cinco anos e a sua luta pela erradicação desta prática levou-a a ser nomeada também pelas Nações Unidas como embaixadora para os direitos das mulheres.

Foi ainda distinguida com o título de Mulher do Ano atribuído pela Glamour em 2000, o World Social Award 2004, o Prémio Oscar Romero 2004 e o título de Cavaleira da Legião de Honra de França.

Para além de Waris Dirie, foram também nomeados o arcebispo Desmond Tutu, Frederick de Klerk, o professor Wangari Maathai, Amara Essy, Mo Ibrahim, Graça Machel, Salim A. Salim, Alpha Oumar Konaré, Edem Kodjo, Henri Lopes, Bethuel Kiplagat, Luísa Diogo, Oliver Mtukudzi, Salif Keita, Angelique Kidjo, Youssou N’Dour, Manu Dibango, Sadok Sassi, Paulina Chiziane, Paul Tergat, Teshaynesh Hewak Teka Legesse, Rabah Madjer, Abedi Pele, Maria Mutola e Michael Essien.

“Sinto-me honrada por os meus irmãos e irmãs africanos me atribuírem esta grande distinção. Mas este cargo traz com ele uma grande responsabilidade. Venho de um país africano, a Somália, que é afectado por uma terrível guerra civil há vinte anos e que não consegue alcançar a paz. Com o meu novo cargo, quero ajudar a trazer a paz para a Somália. E estou já a trabalhar num projecto com este fim e que apresentarei em Setembro”, afirmou Waris Dirie em comunicado.

“Mas há uma outra e muito pior guerra a ter lugar em África. Uma guerra silenciosa contra as mulheres. O nome desta guerra é Mutilação Genital Feminina e afecta milhões de raparigas todos os anos. Mais de 150 milhões de mulheres foram traumatizadas por esta guerra absurda e sofrem as suas consequências durante toda a vida. Por isso, exijo que todos os governos africanos e todos os povos de África acabem com esta guerra”, acrescentou.



publicado por Rita Mello às 03:00 | link do post | comentar | favorito

 

Chamo-me Nojoud. Tenho dez anos. Os meus pais obrigaram-me a casar com um homem com o triplo da minha idade. Desde que me lembro, aprendi a dizer “sim” a tudo. Hoje, decidi dizer “não”.

 

A infância de Nojoud teve um final abrupto quando o pai lhe arranjou um casamento com um homem muito mais velho, que ignorou o compromisso de esperar que a menina alcançasse a puberdade para ter relações sexuais. O marido roubou-lhe a virgindade na noite de núpcias. Ela tinha apenas dez anos. A sua tenra idade não a impediu de fugir – não para casa, mas para o tribunal. Surpreendentemente, o juiz deu-lhe razão. Algo inédito num país onde mais de metade das raparigas casa antes dos dezoito anos. A sua coragem foi aplaudida pela imprensa internacional e comoveu o mundo inteiro. Nojoud conta agora a sua história. Para quebrar o silêncio e encorajar as outras meninas a lutar pelos seus direitos mais fundamentais.

 

Esta vitória legal sem precedentes conduziu a mudanças no Iémen e em outros países do Médio Oriente, onde as leis dos casamentos de menores estão a ser alteradas.

Nojoud foi recentemente distinguida ao lado de Hillary Clinton e Condoleezza Rice como uma das Mulheres do Ano.



publicado por Rita Mello às 02:30 | link do post | comentar | favorito



publicado por Rita Mello às 02:20 | link do post | comentar | favorito

 

 

Nojoud é uma das mulheres mais dignas que já conheci… Um grande exemplo de coragem.”

Hillary Clinton

 

“Crianças como Nojoud podem ser mais eficazes do que bombas para derrotar os terroristas.”

Nicholas Kristof, The New York Times

 

“Um ícone internacional de tenacidade e coragem.”

The New Yorker

 

Nojoud tornou-se numa heroína internacional devido à surpreendente coragem com que luta contra o casamento infantil… É incrível que semelhantes abusos e tamanha coragem aconteçam no mundo actual.”

Booklist

 

“O seu caso conquistou a atenção internacional para a prática arcaica de roubar a juventude das raparigas.”

People

 

“Simples e directa, uma obra instrutiva e completamente envolvente.”

Publishers Weekly

 

“Comovente… Uma história de coragem extraordinária.”

Kirkus Reviews



publicado por Rita Mello às 02:10 | link do post | comentar | favorito

Nojoud Ali foi a primeira criança a conseguir um divórcio no Iémen. Distinguida como uma das Mulheres do Ano pela Glamour em 2008, a sua história captou a atenção dos media internacionais e levou a que o Iémen adoptasse uma lei que estabelece a idade legal para casar nos dezassete anos. Vive actualmente no Iémen.



publicado por Rita Mello às 02:00 | link do post | comentar | favorito

 

Mais de quinze personalidades.

Uma mente torturada.


Alice parecia ter tudo para ser feliz: vivia com os pais e o irmão numa casa luxuosa, frequentava as melhores escolas… Porém, sempre se sentiu diferente das outras crianças. Sofria de perdas de memória, tinha pesadelos violentíssimos e as vozes que ouvia na sua cabeça pediam-lhe para se matar. Culpou-se em silêncio durante anos até procurar um terapeuta, que a ajudou a compreender o que a atormentava: múltiplas personalidades. Quando elas se revelaram, Alice percebeu por fim a dimensão da sua agonia. Cada uma das personalidades tinha as suas próprias e terríveis memórias. Ela podia finalmente ter uma visão global da sua infância. Mas o que descobriu quase a matou.

Alice fora abusada pelo próprio pai desde os seis meses de idade. Ao longo da sua infância, adolescência e juventude, ele violara-a centenas de vezes, tendo até permitido que outras pessoas o fizessem. “O meu pai infligiu-me todas as perversões possíveis”, conta-nos. Na adolescência, sofria de anorexia e de perturbação obsessivo-compulsiva, perturbações que eram, no fundo, silenciosos pedidos de ajuda que ela descreve corajosamente em O Inferno de Alice.

Perceber e sobreviver ao passado foi apenas o início de uma luta que Alice trava até hoje. Esta é a sua história.



publicado por Rita Mello às 01:50 | link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

 

 

“Um relato apaixonante das estratégias que Alice usou para sobreviver a mais de duas décadas de grotescos abusos sexuais, físicos e emocionais.”

The Times

 

“Maravilhosamente escrito… Um relato extraordinariamente lúcido de uma vida fragmentada pelas múltiplas personalidades… Uma história inesquecível.”

London Lite

 

“Um inteligente e analítico relato em primeira mão, escrito por uma mulher extraordinária que ainda está a aprender a viver consigo própria.”

Financial Times

 

“O primeiro grande livro britânico sobre múltiplas personalidades e trauma infantil escrito por uma sobrevivente. O livro oferece uma visão única do mundo complexo de alguém que vive como uma pessoa ‘múltipla’ e deve ser lido por todos os profissionais da área da saúde mental, já que esta doença é raramente compreendida ou bem tratada nos serviços de saúde mental.”

Remy Aquarone, secretário da European Society for Trauma & Dissociation e director do Pottergate Centre for Dissociation & Trauma



publicado por Rita Mello às 01:40 | link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Alice Jamieson licenciou-se com distinção em Saúde e Estudos Comunitários enquanto sofria de perturbação dissociativa de identidade, não tendo conseguido acabar o seu doutoramento.

Corredora de maratona, viajante regular para o Médio Oriente e instrutora de ginástica, Alice Jamieson planeia começar um novo doutoramento na Universidade de Birmingham na aérea dos danos auto-infligidos e da dissociação.



publicado por Rita Mello às 01:35 | link do post | comentar | favorito

 

 

 

TRANSTORNO DE MÚLTIPLAS PERSONALIDADES

“CRIAR OUTRAS PESSOAS NA MINHA CABEÇA FOI A MINHA FORMA DE LIDAR DE LIDAR COM OS ABUSOS”

 

Depois de anos a ser abusada pelo pai, Alice Jamieson passou a sofrer de transtorno de múltiplas personalidades. Ela conta como o trauma moldou a sua vida.

Conhecer novas pessoas é stressante para Alice Jamieson – não é o seu nome real – e é em altura de stress que as suas personalidades estão mais propensas para aparecer. Talvez por isso não deva ficar surpreendida quando Alice vem pela primeira vez ao meu encontro na sua casa e não veja nela qualquer sinal da mulher de quarenta anos que está prestes a iniciar um doutoramento. No seu lugar está um rapaz de dez anos chamado JJ, de cabeça inclinada, braços a baloiçar e a falar num voz arrastada e aguda.

Se eu quero ver o seu candeeiro novo? Sigo-o até outro quarto, onde um espectacular candeeiro em forma de avião está pendurado no tecto. Ele faz silvar a hélice e mostra-me um conjunto de letras em madeira para serem coladas à porta. As letras formam a frase “O ANTRO DE JJ”. “Posso vir para aqui e ficar sozinho”, explica.

Sentamo-nos na cozinha e digo a JJ que acho o livro de Alice muito bom. Estou a tentar usar palavras apropriadas para uma conversa com um miúdo de dez anos quando as pernas dele param de baloiçar e ele levanta a cabeça e olha para mim intensamente. Alice está de volta. Ela aperta a minha mão e apresenta-se; não tem qualquer conhecimento da conversa que acabámos de ter.

Quando Alice tinta vinte e quatro anos foi-lhe dito que sofria do transtorno de múltiplas personalidades ou transtorno dissociativo de identidade, uma doença associada a abusos na infância. A certa altura chegou a ter quinze personalidades alternantes, muitas delas crianças com memórias específicas dos abusos por que passara, a grande maioria às mãos do pai, apesar de às vezes ele também permitir o envolvimento de outros adultos.



publicado por Rita Mello às 01:30 | link do post | comentar | favorito

 

Esta é a história que poucas pessoas acreditavam ser possível contar. Osama bin Laden é o terrorista mais procurado de sempre. Obcecado pelo secretismo, a sua vida tem-se mantido envolta em mistério… até agora. Num acto de coragem, a sua mulher e o seu filho quebram o silêncio e revelam a verdade sobre o carácter e a vida de um homem temido e venerado em todo o mundo.

Najwa bin Laden casou com Osama aos quinze anos e foi a sua primeira mulher. Nesta obra, ela descreve o homem sério e calmo por quem se apaixonou e que um dia a obrigou a trocar uma vida de riqueza extraordinária na Arábia Saudita pelas montanhas inóspitas do Afeganistão. Najwa viu-o tornar-se cada vez mais severo, até que o seu fanatismo crescente dilacerou a família. Omar bin Laden é o quarto filho do casal e conta como sofreu na pele a crueldade de um pai que recusava aos filhos bens tão elementares como medicamentos, que os forçava a dormir no deserto em buracos que eles próprios escavavam, e lhes batia quando riam demasiado. Um dia, Osama pediu-lhes para se tornarem mártires pela causa. "Finalmente sabia com o que contar. O meu pai odiava mais os seus inimigos do que amava os filhos.”

Najwa e Omar partilham com o leitor segredos e detalhes arrepiantes. Nem mesmo os mais conceituados escritores e jornalistas haviam conseguido aceder aos membros desta família. Mas a confiança depositada em Jean Sasson permitiu o que muitos julgavam impossível. O resultado é este documento humano único. Com um acesso sem precedentes, Jean Sasson conduz o leitor até ao mundo secreto dos bin Laden.



publicado por Rita Mello às 01:20 | link do post | comentar | favorito

 

 

“Fascinante… Uma obra notável.”

The Washington Post


“Uma narrativa fascinante… O relato psicológico do homem mais procurado do mundo é ainda mais devastador por ter sido escrito por duas pessoas que aparentemente o veneravam.”

The Sunday Times


“Fascinante… Um relato enriquecedor sobre a vida pessoal do homem mais procurado do mundo… Os serviços secretos e os estudiosos dos movimentos extremistas deviam prestar atenção à infância de Omar na al-Qaeda para aprenderem a inocular os jovens contra o radicalismo.”

Time



publicado por Rita Mello às 01:10 | link do post | comentar | favorito

Najwa bin Laden casou com o primo Osama bin Laden aos quinze anos, sendo a sua primeira mulher e mãe de onze dos seus filhos. Vive actualmente no Médio Oriente.


Omar bin Laden, o quarto filho de bin Laden, declarou publicamente que o pai devia “mudar de rumo”. Tanto Omar como a mãe abandonaram o Afeganistão antes dos atentados do 11 de Setembro, e desde aí nunca mais estiveram em contacto com Osama bin Laden.


Jean Sasson viveu na Arábia Saudita durante mais de dez anos e, actualmente, vive de novo no Sul dos Estados Unidos, de onde é natural. Para além de A Minha Vida com Osama bin Laden, no catálogo da ASA figuram já as suas obras Sultana – A Vida de uma Princesa Árabe, As Filhas da Princesa Sultana, Deserto Real – Lutas e Vitórias da Princesa Sultana, Mayada – Filha do Iraque, O Filho de Ester e Amor em Terra de Chamas – A Verdadeira História de Joanna do Curdistão, todas elas bestsellers internacionais, tendo vendido mais de 8 milhões de exemplares.

Para mais informações sobre Jean Sasson consulte o site oficial www.jeansasson.com.



publicado por Rita Mello às 01:00 | link do post | comentar | favorito

 

Fui violada e forçada a casar.

Fiquei grávida aos treze anos.

Conto-vos a minha história porque vivi um pesadelo e sobrevivi.


Abandonada pelos pais, a pequena Sameem Ali passou os seus primeiros sete anos num lar onde conheceu estabilidade e bondade. Mas quando soube que a mãe a queria de volta, ficou radiante por poder começar uma nova vida em família. Porém, em vez de um lar, encontrou uma casa imunda onde foi tratada como uma escrava. Era obrigada a trabalhar sem interrupção e violentamente espancada pela mãe e pelo irmão.

Um dia, a mãe decide levá-la a visitar o Paquistão. Sameem nascera na Grã-Bretanha e nunca saíra do país, tinha treze anos e a perspectiva da viagem deixou-a feliz… Mas a sua alegria foi breve. No Paquistão, esperava-a um casamento forçado com um desconhecido que a violou repetidamente. Dois meses depois, a menina estava de volta a casa da mãe, grávida. Esse fora, afinal, o objectivo: forjar um vínculo que permitisse ao marido emigrar para a Grã-Bretanha.

Sameem estava só e desesperada quando o inesperado aconteceu: apaixonou-se e, para sua surpresa, foi correspondida. Em casa, os abusos continuaram, mas algo mudara na jovem de dezassete anos: a maternidade dera-lhe força e o amor esperança. Sentindo-se apoiada pela primeira vez, fugiu de casa e da violência que também recaía sobre o seu filho.

Pensou então ter conseguido superar os traumas do seu terrível passado. Não estava preparada para as consequências de ter violado a honra da família…



publicado por Rita Mello às 00:56 | link do post | comentar | favorito

 

 

“Se fosse um romance, o leitor poderia achar a história de Sameem Ali inverosímil, mas o horror do seu casamento forçado foi real e a sua história não é única. O que é único é que quebrou um tabu e expôs os abusos sofridos por muitas jovens na Grã-Bretanha.”

The Times


“Em Casada à Força, Sameem Ali relata a sua vida arrepiante para realçar o horror do casamento forçado, na esperança de que as suas palavras ajudem a promover a esperança.”

The Daily Record


“Um livro envolvente e de leitura compulsiva.”

The Scotsman


“Uma história arrepiante e brutal.”

The Asian News



publicado por Rita Mello às 00:50 | link do post | comentar | favorito

 

 

Sameem Ali vive em Manchester com o marido e os dois filhos. Está activamente envolvida na política local, sendo vereadora de Moss Side, e é uma militante da luta contra os casamentos forçados, falando em conferências governamentais.

Para mais informações sobre a autora consulte o site www.sameemali.com.



publicado por Rita Mello às 00:40 | link do post | comentar | favorito



publicado por Rita Mello às 00:33 | link do post | comentar | favorito



publicado por Rita Mello às 00:20 | link do post | comentar | favorito

 

Quando por detrás de uma infância idílica se esconde uma realidade terrível.

 

“Sentia-me certa do amor da minha mãe. Amava-a e sabia que ela me amava. Ela havia de mandá-lo parar.”

 

Toni tinha apenas seis anos quando o seu mundo ruiu.

Quando o pai teve a sua primeira atitude obscena, a pequena Toni arranjou coragem para contar à mãe o que tinha acontecido, certa de que esta traria a normalidade de volta à sua vida. Mas a mãe fez o impensável: disse-lhe para nunca mais falar nesse assunto. Quando os abusos se intensificaram, o pai ameaçou-a. Toni estava proibida de contar à mãe ou a qualquer outra pessoa. Aquele pesadelo teria de permanecer “o nosso segredo”.

Aos catorze anos, Toni engravidou do pai e partilhou pela primeira vez o seu terrível segredo. Mas, tal como o pai previra, todos a culparam. Apesar de o pai ter sido preso, a jovem continuou a sofrer: quase morreu devido a um aborto, e foi cruelmente julgada e rejeitada pela família, professores e amigos. Após um período de profunda depressão, Toni enfrentou a única verdade na sua vida: para poder aspirar à felicidade, teria de contar apenas consigo própria.

 

Não Digas Nada à Mamã é o relato verídico e tocante da pior das traições; uma história de coragem que inspirou centenas de milhares de leitores em todo o mundo.



publicado por Rita Mello às 00:19 | link do post | comentar | favorito

 

 

“Uma obra dilacerante.”

The Belfast Telegraph

 

“Assombroso.”

The Daily Mirror

 

“Um livro de memórias dilacerante e profundamente comovente.”

Female First

 

“Um testemunho da incrível coragem de Toni Maguire.”

Closer



publicado por Rita Mello às 00:18 | link do post | comentar | favorito

 

Da autora de Não Digas Nada à Mamã


Perguntou a si mesma vezes sem conta, andando às voltas pela sala: como pode a minha mãe continuar a gostar de um homem que cometeu um crime tão hediondo? Ela sabe o que ele me fez, à sua própria filha. Como pode continuar a amá-lo? E se foi capaz de lhe perdoar, o que é que sentirá realmente por mim? Foi tudo uma mentira?

 

A infância de Toni terminou quando ela tinha apenas seis anos e o seu pai lhe roubou a inocência. Já adolescente e após anos de abusos sexuais, ela encontrou por fim a coragem para o enfrentar, conseguindo que fosse condenado à prisão. Toni acreditou então que podia ter uma vida normal. A sua relação com a mãe floresceu, bloqueando por completo as más recordações. Mas, dezoito meses mais tarde, Toni chega a casa e encontra o pai sentado na sala de estar. Foi nesse momento que percebeu que o pesadelo não terminara e que a mãe esperara ansiosamente pelo regresso do marido.

Sozinha e traumatizada, Toni saiu de casa e mergulhou numa profunda depressão, tendo acabado por ser internada num hospital psiquiátrico. E, quando já ninguém acreditava na sua recuperação, ela começou a melhorar. A sua enorme força de vontade permitiu-lhe começar de novo e, através do seu testemunho, alertar e ajudar todos os que, como ela, são vítimas inocentes das pessoas em quem mais confiam.



publicado por Rita Mello às 00:17 | link do post | comentar | favorito

Após vinte anos a viver em Londres, Toni Maguire divide actualmente o seu tempo entre o Norfolk, na Grã-Bretanha, e a Cidade do Cabo, na África do Sul. Para além de Quando o Papá Voltar, a ASA publicou, da mesma autora, Não Digas Nada à Mamã, a primeira parte de uma história verídica que inspirou centenas de milhares de leitores em todo o mundo.



publicado por Rita Mello às 00:16 | link do post | comentar | favorito

 

Pode ler a entrevista completa de Toni Maguire, autora de Não Digas Nada à Mamã e Quando o Papá Voltar, ao Sol , aqui.



publicado por Rita Mello às 00:15 | link do post | comentar | favorito

 

A vida de Donya al-Nahi, uma inglesa loira e de olhos verdes que se converteu ao islamismo, mudou no dia em que conheceu uma mulher britânica, casada com um muçulmano, cuja filha de seis anos tinha sido raptada e levada para a Líbia pelo próprio pai. Comovida pelo desespero da jovem mãe, Donya respondeu corajosamente: “Vamos lá buscá-la.” Pouco depois, arriscou a vida para resgatar a criança enquanto ela ia para a escola, em Trípoli. A intensidade da experiência foi tal que Donya decidiu ajudar outras mulheres igualmente sós e impotentes perante a maior das crueldades. “Ninguém tem o direito de separar uma criança da mãe”, afirma. Dezenas de crianças foram salvas graças à audácia e ao altruísmo de Donya. Este é um testemunho tremendamente honesto e emocionante de uma mulher heróica que teve de suportar os maiores riscos e até a prisão em alguns dos locais mais perigosos do mundo.

Para muitas famílias, Donya al-Nahi é a Heroína do Deserto.



publicado por Rita Mello às 00:11 | link do post | comentar | favorito

Donya al-Nahi nasceu na Escócia e converteu-se ao islamismo quando tinha dezassete anos. Dirigiu missões de resgate em países como a Jordânia, a Líbia, o Irão, o Iraque e o Dubai. A sua coragem tornou-a numa figura pública no Reino Unido, onde ficou conhecida como Jane Bond, e inspirou o Channel 4 britânico, que a seguiu até ao Irão e à Bósnia e produziu um documentário intitulado Snatched. Tem quatro filhos e vive actualmente em Londres.



publicado por Rita Mello às 00:01 | link do post | comentar | favorito
















































































































































































arquivos

Abril 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

tags

3096 dias

a menina que se chamava número 27

a menina sem nome

a minha vida com bin laden

a mulher do sari cor-de-rosa

a vida secreta das princesas árabes

agnès rotger

alan e irene brogan

alex tresniowski

alice jamieson

almas gémeas

as meninas proibidas de cabul

às minhas filhas com amor

beth clark

biografia

casada à força

casei com um beduíno

cinema

clara – a menina que sobreviveu ao holoc

clara kramer

cnn

comprada – a minha vida num harém

condenada

coração sem limites

crítica

desonrada

diário de notícias

diário secreto de uma mulher

divorciada aos 10 anos

documentário

donya a-nahi

elizabeth smart

em carne viva

entrevista

escolhi viver

escravas

excerto

fatima mernissi

fawzia koofi

filha do pecado

flor do deserto

grace de mónaco

heróina do deserto

inquérito

jana wain

jaycee dugard

jean sasson

jeffrey robinson

jenny nordberg

jill abramson

jillian lauren

jornal de notícias

kate mccanm

katherine boo

katie davis

khady

kristen kemp

laura schroff

leila aziz

lynne barrett-lee

madeleine

marco tosatti

marguerite van geldermalsen

marina chapman

memórias de anne frank

memórias de um exorcista

michaela deprince

miriam ali

mutilada

nadia ghulam

najwa bin laden

não digas nada à mamã

nasci num harém

natascha kampusch

nojoud ali

o diário da minha melhor amiga

o fio do destino

o inferno de alice

omar bin laden

padre gabriele amorth

passatempo

prémios

quando o papá voltar

queimada viva

sameem ali

sampat pal

sinopse

sophie morgan

souad

stacey lannert

theo coster

toni maguire

trailer

tvi

vanessa james

vida roubada

vídeo

waris dirie

wendy wallace

zana muhsen

todas as tags

Sites de Autores
Fawzia Koofi
Jean Sasson
Jill Abramson
Jillian Lauren
Kristen Kemp
Laura Schroff
Sameem Ali
Sampat Pal
Sofia Hayat
Stacey Lannert
Tony Maguire
Waris Dirie
Amigas e Amigos
A Casa Torta
A Galáxia dos Livros
A Gémea que Faltava
Alojaeasverdades
A Magia dos Livros
A Menina dos Policiais
Ametista Cintilante
A Minha Vida em Mil Páginas
Amostras e Passatempos
Anjo, Estrelinhas e Manas
Ao Ler o Livro
A Opinião do Prazer
A Participar
A Partir dos 30
Artes e Devaneios
As Ameias do Crepúsculo
As Histórias de Elphaba
As Leituras da Fernanda
As Leituras da Maggie
As Leituras do Corvo
As Minhas Leituras
Avenida Surrealista
A Viajante
Bad Books Don’t Exist
BiblioMigalhas
Biblioteca CEF LIVROS com VIDA
Biblioteca do CEDV
BlogBrottas
Blogtailors
Bookeater/Booklover
BookManíacas
Books and Books
Books Around the Corner
By Juaniska
Café de Letras
Cantinho das Partilhas
Cartuchos Literários do Guerreiro
Castelo de Letras
Chá da Meia-Noite
Chá de Menta
Chá para Dois
Chovem Livros
Cinco Quartos de Laranja
Clorofórmio do Espírito
Clube dos Livros
Clumsy Girl
Coisas da Cleo
Compartilhando Leituras
Conta-me Histórias
Cuidado com o Dálmata
Daqui Prá Frente Só Há Dragões
Declaro-me Sonhadora
Destante
De Volta dos Tachos
Directório Livros e Marcadores
Doce Refúgio
Doida por Livros
Dominus
Dos Meus Livros
Esmiuça o Livro
Esmiuçar os Livros
Estante de Livros
Este meu Cantinho
Expressividade
FazendoArte
Finding Neverland
Floresta das Leituras
Floresta de Livros
Folhas de Papel
Ganha Prémios na Net
Ganhar.me
Girl in the Clouds
Godalsky
Gosto de Ti Livro
Grilinha
Há Luz no Fundo do Túnel
Horas Serenas
Ines’s Secrets
Inocência de Amar
Já Ganhavas qualquer Coisa!
Jonasnuts
Kikisses
Lector in Fabula
Learning To Breathe on my Own
Leitura da Semana
Leituras (and so on)
Leituras… By Bauny
Leituras das Marias
Leituras de A a B
Ler
Ler e Reflectir
Ler é Viver
Ler por Gosto não Cansa
Ler, um Prazer Adquirido
Letras&Baquetas
Letras sem Fundo
Leves e Ausentes
Leya BIS
Livreo
Livros de Bia
Livros e Leituras
Livros e Marcadores
Livros, o Meu Vício
Livros no Tempo
Livros para Devorar
Livros que Inspiram
Lost in Chick-Lit
Lucie’s… Corner on the Moon
Magical Pieces…
Mais Alguém no Mundo
Mais Passatempos
Manta de Histórias
Marcador de Livros
Maria Pudim
Max Costinha
Mesmo Grátis
Mil Estrelas no Colo
Minha Essência
Mira 46
Momentâneos
Morrigan
Moura Aveirense
Muito para Ler
Mundo da Inca
Mundo de Prata
My Imaginarium
My Life
Na Companhia dos Livros
Na Esquina do Tempo
Na Palma da Mão
Nataxxa and Geninha’s Blog
Novas Perspectivas Insulares
O Baú da Erminda
O Meu Momento Zen
O Meu Mundo
O Meu Mundo Miga
O Mundo Encantado dos Livros
O Prazer da Leitura
O Prazer de Ler
Os Devaneios da Jojó
Os Livros da Maria
Os Livros Não Têm Segredos
Os Meus Livros
O Sótão da Mimi
O Tempo entre os Meus Livros
Ouvi Dizer
O Vento Debaixo das Minhas Asas
Palavras Impressas
Palavras Partilhadas
Palavras Soltas
Passatempos Online
Pedacinho Literário
Pereira’s Book’s
Photos e Afins
Pintar com Quantas Cores o Vento Tem
Pipocas Gourmet
Planeta Márcia
Poemas, Rimas & Prosas
Pontos e Pensamentos
Porta-Livros
Porto das Pipas
Portugal Creative
Postais de Anis
Prazer dos Passatempos
Princesa Nilo
Princezices
PTPassatempos
Quadrícula
Queria de Ti
Read to Grow Europe
Refém das Letras
Refúgio do Leitor
Refúgio dos Livros
Romance n’Alma
Romances in Pink
Sapo Livros
Segredo dos Livros
Segredos Escondidos
Silêncios que Falam
SimpleSamples
Sociedade Aberta
Sofia e os Livros
Sol a Cada Dia
Sonhos de uma Rapariga
Sombra dos Livros
Tantos Livros Tão Pouco Tempo
Tempo de Mim
Tertúlias à Lareira
The Fanatic Reader
Tocas e Baldocas
Toque Suave
Totó da Cabeça
Tralhas Grátis
Tuga Passatempos
Uma Biblioteca Aberta
Um Livro e um Café
Um Ponto Azul
Vaidades
Viajar pela Literatura
Vidas Desfolhadas

blogs SAPO
subscrever feeds